Negócio

Cresce número de empresárias baianas que apostam em times femininos e trabalho artesanal



Empresa Sabrinas é exemplo com produção de bolsas e itens sofisticados; time é 90% composto por mulheres

O Brasil figura como o sétimo país com o maior contingente de mulheres empreendedoras, segundo pesquisa do Sebrae em 2019, com dados da Global Entrepreneurship Monitor (GEM) envolvendo 49 nações. Mais de 24 milhões de mulheres brasileiras estão à frente de seus próprios negócios, impulsionando a economia e fomentando postos de trabalho. Mas, na Bahia, o destaque principal vai para uma pesquisa divulgada pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), que apontou não apenas aumento das mulheres no mercado de trabalho na região metropolitana de Salvador, mas também foco na preferência de contratação: mulheres preferem contratar mulheres na capital baiana.

Um estudo conduzido pelo Mckinsey Global Institute revelou que a promoção da igualdade de condições de trabalho entre homens e mulheres poderia impulsionar o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em aproximadamente 30%. Esse dado ressalta a correlação positiva entre a maior produtividade econômica feminina e o universo empresarial. “Não se trata apenas de gerar empregos, mas também de abrir portas para outras mulheres, criando uma rede de crescimento e compartilhamento de conhecimento essencial. Isso faz com que muitos possam também investir em outros negócios. Assim, a economia gira”, destaca Jamile Nascimento, fundadora da Sabrinas, que tem 90% do seu time feminino.

Outro estudo conduzido pelo Mercado Livre, entre abril de 2021 e março de 2022, identificou um aumento de 32% no número de consumidores interessados em produtos que promovem estilos de vida sustentáveis, adotando hábitos e comportamentos ecologicamente responsáveis, trazendo benefícios tanto para o meio ambiente quanto para a sociedade.

Na Bahia, empresas como a Avatim (@avatimoficial) se destaca pelo foco em um trabalho artesanal e feminino, dando suporte às mulheres da manufatura. A marca Sabrinas (@sabrinasgifts) também é exemplo de resposta a uma crescente demanda por produtos sustentáveis e feitos pelas mãos de mulheres. “As clientes valorizam muito isso”, conclui a fundadora Jamile, que formatou a marca especializada em acessórios feitos de materiais naturais, como bolsas com personalizadas com iniciais, nécessaires, estojos, jogos americanos, cases para notebook, rasteirinhas e desk pads.

“A busca por transparência tornou-se uma prioridade para o público atualmente. Há um interesse crescente em compreender não apenas a fabricação dos produtos, mas também quem se beneficia do processo e como a sustentabilidade é aplicada”, conta a cliente assídua da Sabrinas, Vanessa Brunt. Jamile Nascimento, fundadora da marca, destaca o compromisso da marca em garantir essa transparência, valorizando o atendimento personalizado oferecido aos clientes, enquanto evidencia o papel crucial desempenhado pelas mulheres baianas no desenvolvimento e produção dos acessórios sustentáveis oferecidos pela empresa.

“Existe uma crescente demanda por transparência por parte do público. As pessoas estão cada vez mais interessadas em compreender o processo de fabricação dos produtos, quem se beneficia desse processo e como a sustentabilidade é efetivamente aplicada. Na nossa marca, asseguramos essa transparência,” explica Jamile Nascimento, fundadora da empresa, reconhecida pelo atendimento personalizado.

Fonte: Ascom

admin