Entrevista: Nova aposta da música baiana, Jotabê dispara: “Decidi renovar o gênero do axé trazendo uma influência forte da música eletrônica”.

Nova aposta da música baiana, Jotabê dispara: “Decidi renovar o gênero do axé trazendo uma influência forte da música eletrônica”

Há menos de um mês de seu lançamento, cantor concedeu entrevista exclusiva para o Canal In

O que era um hobby despretensioso em momentos de descontração com amigos se tornou profissão. Baiano da gema, Júnior Barbosa atende pelo nome artístico de Jotabê, o mesmo dado a sua banda. Foi tomado pela música desde criança, mas só começou a encará-la como algo sério e promissor há três anos atrás. Ainda desconhecido pelo grande público baiano, o cantor tem grandes ambições e promete conquistar o mercado da música com um novo ritmo, o Eletroxé.

As desventuras de amor fez de Jotabê um compositor. A canção “Correndo Atrás”, que faz parte do seu novo EP, é um exemplo. Se preparando para seu lançamento oficial no próximo mês, o cantor concedeu uma entrevista exclusiva para o Canal In. Confira:

Canal In: De que forma a música se fez presente em sua vida?

Jotabê: Desde pequeno que meu maior prazer é cantar, pra mim é até difícil expressar com palavras a sensação que tenho quando canto. O meu corpo se transforma, é uma energia que não consigo entender… não sei definir! Parece um orgasmo, um ápice da felicidade, é a sensação de ganhar o mundo, de liberdade, parece uma carga de energia positiva que me dá combustível pra enfrentar todas as barreiras e passar por todas as etapas trabalhosas que temos que passar para ter sucesso no ramo da música.

C.I: Fora do ramo musical você tem uma profissão! Por que decidiu manter essa outra ocupação e não se dedicar exclusivamente à música?

JB: Sim, sou Executivo de uma multinacional, no ramo da Construção Civil. Eu acredito que na vida, a coisa mais gostosa que tem é poder viver várias “vidas”, na mesma “vida”! O meu trabalho fora música é que mantém toda estrutura para a realização do meu projeto musical, os custos com assessoria, produção, designer, músicos etc. Sou meu próprio investidor, e nesse momento, preciso de recursos financeiros para conseguir transformar o meu sonho em realidade. Tenho fé que um dia a música vai me proporcionar ter tempo exclusivo pra ela.

C.I: Explica um pouco o que é Eletroxé, vocês pretendem emplacar o ritmo como a identidade da banda?

JB: Sou apaixonado pelo axé, mas com o passar dos anos, muitos outros gêneros vêm ganhando espaço por trazer inovação. E por isso, Decidi renovar o gênero do axé trazendo uma influência forte da música eletrônica, zouk, merengue, kuduro e lambada. Meu principal objetivo é trazer para o mercado algo singular e ser referência nesse novo momento. Além do “Eletro” remeter à eletrônico, também carrega o conceito de energia, eletricidade porque é assim que me sinto quando estou me apresentando, ligado no 220V.

C.I: Fala um pouco das suas parcerias e outros integrantes da banda. Como pintou essa aproximação?

JB: Em 2015 numa noite, Eu e umas amigas fomos para um conhecido bar de Salvador, onde minha prima gravou um vídeo despretensioso de uma participação minha cantando, que posteriormente, mostrou aos amigos e músicos de Santo Amaro (Ba), Álvaro Lucas e Hélio Junior, (hoje, diretor musical do meu projeto). E na época, me convidaram para participar de uma Jam, onde surgiu a ideia da gravação de um CD demo, mas por satisfação pessoal. O que me fez acreditar que o projeto daria certo, é a energia das pessoas quando me apresento. Por isso, resolvi mergulhar de cabeça e decidi gravar um EP promocional e investir profissionalmente na carreira artística. A nossa equipe é composta por 7 músicos, 2 dançarinos, 1 empresa de assessoria de comunicação, 1 produtor executivo, 1 produtor da banda, 1 fotógrafo, 1 designer, 1 roud e 1 segurança; essa galera trabalha em harmonia para que o resultado final seja a satisfação dos nossos seguidores.

C.I: Sobre o que as suas canções autorais falam?

JB: Até hoje minhas canções sempre contam histórias vividas por mim. Correndo Atrás, por exemplo, que está no meu CD compus ao final de um relacionamento onde eu me entreguei por inteiro, mas, a recíproca não foi verdadeira e depois do término a “criatura” veio correndo atrás de mim. Fiz um verdadeiro desabafo, externei meu sentimento e de quebra criei uma bela canção.

C.I: O que você almeja no ramo musical? Tem ambições ou projetos futuros?

JB: Olha, como todos os projetos na minha vida, eu espero colher bons frutos. Eu estou encarando essa ramificação da minha vida como algo muito sério. Espero poder passar para as pessoas um pouco de mim através da música e oferecer ao mercado brasileiro um produto diferenciado em relação aos demais. A parte financeira, atualmente é o que menos me importa porque eu não dependo da carreira artística para sobreviver nesse aspecto, a minha dependência é de fazer música e mostrar pra que vim.

O lançamento oficial da carreira de Jotabê acontecerá no dia 12 de outubro no Largo Quincas Berro D’água, no Pelourinho. O evento contará com a participação do grupo Samba do Pretinho, Gilmelândia, Raça Pura, Samba Mil Grau, Dj Mailson e Dj Artur.

 

Equipe Canal In

Editor Ricardo Henrique

Repórter Lucas Gomes

Fotos INstagram

Compartilhe essa postagem