DEST’IN’OS: OS ENCANTOS DE PRAIA DO FORTE, O PARAÍSO LITORÂNEO A 80KM DO CENTRO DE SALVADOR

 

Praia do Forte está entre um dos destinos mais procurados nas terras baianas. Localizado em um distrito homônimo do município de Mata de São João, se tornou um dos lugares preferidos dos soteropolitanos e moradores da região, mas também atrai durante o ano inteiro turistas de toda parte do mundo por estar situado a 60 km do Aeroporto de Salvador. A antiga vila de pescadores atualmente tem quase 50 mil habitantes e dependem majoritariamente do turismo. Quem visita o local encontra uma infraestrutura completa que uniu o rústico e o moderno, além dos 14km de litoral, as 6 praias diferentes com águas cristalinas e quentinhas, e a deslumbrante costa dos coqueiros que complementam o visual do paraíso.

E chegar lá não é difícil:

Se você estiver indo de Avião, pode contratar previamente o Transfer para quando desembarcar no Aeroporto de Salvador já ter a comodidade de uma empresa fazer o trajeto de ida e volta até o destino final nas datas previamente determinadas. Esse serviço custa em média R$180,00 por pessoa.

Outra opção é alugar um carro em umas das locadoras que fica próximo ao aeroporto, isso vai te dar a oportunidade de conhecer outros lugares próximos, como Guarajuba, Itacimirim e Imbassai. O serviço pode ser previamente contratado ou ser acertado diretamente no local. O preço vai variar de acordo com a categoria do carro, disponibilidade e a data da sua viagem.

Mas, se não quiser alugar um carro e nem contratar o transfer, ainda pode chegar lá de táxi ou outros aplicativos de mobilidade. Os preços ficam em torno de R$ 200,00 a R$ 300,00. É bom ficar atento: na Vila não tem taxistas ou motoristas de aplicativo, por isso, é bom pegar o contato de algum deles para fazer o trajeto de volta.

E se preferir uma opção mais em conta, tem as vans da linha Branca que fazem o trajeto Salvador/Praia do forte saindo do ponto que fica em frente ao shopping da Bahia. Elas passam de meia em meia hora e param nos principais pontos da paralela e estrada do côco. A passagem custa R$ 8,00.

Se você for com veículo próprio não tem erro: A estrada é bem sinalizada, a vista é linda e assim que chegar lá precisará estacionar em um dos estacionamentos credenciados pela prefeitura, já que dentro da vila é proibido o acesso. O valor da hora custa cerca de R$10 reais. Se pretende ficar hospedado, pode verificar se o hotel possui estacionamento privativo.

BATE E VOLTA OU HOSPEDAGEM?

Agora que já sabemos como chegar, é importante saber que tem como você curtir Praia do Forte sem se hospedar, fazendo apenas um bate e volta para o local. A vantagem é que você vai economizar com a estadia, e tendo um bom planejamento, pode curtir um pouco do local. A desvantagem é que com tantas opções de passeios, para aproveitar tudo precisaria de, no mínimo, uns três dias. Infelizmente só peguei uma diária, o gostinho que ficou é o de quero mais!

Se hospedar lá não é difícil, existem diversas opções entre resorts, hotéis, pousadas e hostels. Como lá tem movimento o ano inteiro, é bom fazer a reserva com antecedência para garantir um bom preço. Sites de hospedagens torna mais prático verificar o melhor dia, valor e localização. É possível encontrar diárias de quarto para casal a partir de R$200,00 com direito a café da manhã e se você quiser curtir a natureza de pertinho, lá também tem área de camping custando até R$ 50,00.

Eu fiquei Porto Zarpa Hotel, em alta estação os valores podem variar entre R$500 até R$700 a diária para o casal. O preço salgado se justifica pela estrutura completa que é oferecida. O quarto é amplo e arejado, o atendimento é atencioso e acolhedor e o café da manhã é incrível: tem uma ampla variedade e muita comida típica da Bahia!

A escolha foi certeira, já que o hotel tem estacionamento privativo e fica em uma boa localização na Vila, deu pra deixar o carro lá e curtir tudo a pé!

SOBRE A VILA E A CULINÁRIA:

A Vila acolhedora já é motivo suficiente para uma visita, o comércio é forte e lá se encontra de tudo um pouco. O que costuma atrair mais atenção dos turistas é a culinária local e as lojas recheadas de lembrancinhas, artesanatos e produtos personalizados.

Nos finais de semana e feriados, o movimento costuma ser intenso. E isso se repete durante o ano inteiro, já que mesmo nas estações mais chuvosas, os dias lá permanecem quentes! Optar por uma visita no meio da semana me permitiu conhecer a tranquilidade da vila, que mesmo a noite não fecha as portas. Alguns estabelecimentos dispõem de música ao vivo e o comércio permanece aberto até meia noite, o que permite aos visitantes comer, andar, fazer compras, sentar em uma praça e conversar ou apenas apreciar a sensações de paz que Paia do Forte oferece.

As opções de bares e restaurantes conseguem agradar a todos os gostos e bolsos, os cardápios costumam ficar expostos do lado de fora, permitindo ao cliente escolher o local que lhe for mais conveniente. E como estamos na Bahia, nada melhor do que uma boa moqueca de camarão com tudo que se tem direito. Pedi a porção para duas pessoas e paguei R$ 96,00. Valeu a pena cada garfada!

Mas quem não curte o famoso camarão, a vila também tem pratos prontos com opções como frango e carne a partir de R$ 15,00. Isso sem contar a variedade para café da manhã, um lanche ou o jantar: Têm pastéis, hambúrgueres, tapiocas, espetinhos de churrasco, sopas, cachorros-quentes e muito mais.

PONTOS DE PARADA:

A Capela de São Francisco de Assis é parada obrigatória na Vila, já que logo em frente fica a praia do PORTINHO, mais frequentada por possuir uma estrutura de barracas para melhor comodidade de quem vem curtir as águas calmas com a uma vista de tirar o chapéu: é nela que ficam os barquinhos de pesca atracados, quase uma baía.

E quem não quiser ficar em nenhuma barraca e nem alugar um sombreiro com cadeiras que custa cerca de R$20,00 pode também se acomodar na areia. O local é ótimo para quem quiser levar o cooler e aproveitar, mas se a cerveja não gelou, não se preocupe: Lá você encontra a partir de R$5,00 a lata ou R$ 10,00 a garrafa de 600ml. E se bater a vontade também tem suco da frutas, água de coco, refrigerante, energético, whisky, vodka, caipirinha e muitos outros!

Como eu não conhecia, decidi visitar as piscinas naturais que se formam quando a maré está baixa. Por volta das 15:00h contratei um guia para me levar até a praia do aquário que fica bem próximo a vila, foram apenas 5 minutos andando.

O pacote que fechei incluía mesa e cadeiras para deixar os pertences na areia, à orientação dos melhores lugares para entrar e um mergulho inesquecível para contemplar cardumes de peixes coloridos: tudo isso com direito a 40 fotos tiradas de uma máquina fotográfica da própria equipe. O valor do passeio ficou R$50,00 por pessoa, mas se optar por não pagar tem como chegar às piscinas naturais caminhando pela beira da praia se a maré estiver baixa.

MERGULHO

Outro modo de chegar às praias mais distantes é de bicicleta! Na vila é permitido circular com elas e os famosos bicitaxi fazem sucesso por lá. É possível contratar eles para fazer qualquer trajeto, incluindo alguns passeios como a trilha ecológica que custa cerca de R$60,00 e a ida e volta para a praia do LORD (Que é uma praia mais afastada conhecida por permitir que os banhistas comam e bebam dentro da água quando a maré está baixa) que custa R$ 40,00. Esse valor é pela bicicleta que leva até quatro passageiros. A trilha para essa praia tem 3,5km e é bem tranquila, muitas pessoas preferem ir andando para aproveitar a natureza.

A entrada da trilha é pela ponte que dá acesso ao parque Municipal de praia do forte e lá também é possível apreciar o pôr do sol. Como fica do lado oposto da praia, o visual é de tirar o fôlego.

O ecoturismo também é muito forte na região que tem uma das sedes do projeto TAMAR, que se dedica a proteger e preservar as tartarugas marinhas que chegam até a praia para fazer a desova. Nos meses de janeiro e fevereiro é possível ver a soltura dos pequenos filhotes na praia. Os ingressos custam R$26,00 para adulto com direito a meia entrada.

Equipe Canal In

Repórter e fotos: Juliana Neves

Edição Lucas Gomes e Ricardo Henrique

Compartilhe essa postagem