Encontro Periférico de Artes (EPA!) chega a 4ª edição reunindo grandes nomes e atividades virtuais gratuitas

Com a proposta de valorizar e difundir manifestações dos universos da arte negra e de periferia, o Encontro Periférico de Artes chega a sua 4ª edição em um novo formato, com atividades virtuais, adaptando-se às necessidades do cenário pandêmico, mas mantendo a sua essência agregadora de ações e realizações, promovendo uma série de espetáculos e oficinas gratuitas através das plataformas YouTube, Instagram e Zoom. Entre os dias 28 de julho e 1 de agosto, o EPA! reunirá grandes nomes, como Bia Ferreira, Ilê Aiyê, Vandal, Mr. Armeng, grupos periféricos renomados do cenário baiano, como o grupo de dança de pagode BTL- Balé Tome Love do bairro de Sete de Abril, e muito mais. Nesta 4ª edição, o festival interculturaliza Bahia, São Paulo, Minas Gerais e Paraná, num caldeirão de propostas culturais e artísticas, provocativas e excitantes.

Oferecendo ao público uma cuidadosa e extensiva programação que articula as pesquisas sobre ancestralidade e manifestações populares em dança com a atuação e produção dos artistas idealizadores jovens negros baianos, Bruno de Jesus e Inah Irenam, o EPA! se consolidou, nos últimos anos, como uma plataforma de pluralidade artística. Promovendo mostras de espetáculos, oficinas, rodas de conversa, exposições, performances, audiovisual e, em destaque, a batalha do pagode baiano, o festival compreende uma ampla programação cultural, marcada pela diversidade de linguagens artísticas e pela participação de artistas, grupos e pesquisadores da arte e da cultura, sendo um dos poucos no seu perfil a estimular o deslocamento ao olhar reflexivo e contemporâneo acerca de questões identitárias, estéticas de periferias e a arte como ação política, em seus modos de se relacionar com a cultura local e global. 

Realizado pela ExperimentandoNus Cia de Dança, que vem atuando e produzindo dança de forma independente e ininterrupta há 13 anos, o Encontro Periférico de Artes é um projeto contemplado pelo Edital Gregórios – Ano II, da Fundação Gregório de Matos, Prefeitura de Salvador. “Com o EPA! articulamos os campos da dança, fotografia, poesia, música, teatro, literatura e artes visuais em centros culturais, feiras livres, ônibus, praças, escolas públicas, estações rodoviárias e espaços alternativos. Esse ano o festival ganha um novo formato, virtual, se adequando às exigências do cenário atual, mas isso não desfaz a potência do encontro, pelo contrário, amplia suas possibilidades de alcançar um público ainda maior para que conheça nossa arte periférica plural”, conta Bruno de Jesus, um dos idealizadores e diretor geral do EPA!

“O esforço coletivo é o oxigênio que faz do EPA! uma realidade. Para isso, contamos com o incentivo pessoal de cada artista negro que acredita na união da nossa pluralidade cultural e artística, e juntos nos fortalecemos como importante instrumento para valorização das diversas manifestações artísticas que realizamos”, completa a bailarina e produtora cultural, Inah Irenam, idealizadora e diretora geral.

Equipe Canal In

Repórter / Editor: Ricardo Henrique

Foto: Fabrício Rocha

Compartilhe essa postagem