Falando de liberdade, independência feminina e autoestima, Zeca Baleiro apresenta em Salvador o seu novo disco “Amor no Caos “


Outrora, o conceito de amor caótico foi teorizado no romantismo brasileiro pelo escritor Álvares de Azevedo, que descrevia o sentimento mor como algo frustrante, tedioso e até mesmo inacessível. Mas não foi esse viés que Zeca Baleiro quis explorar quando lançou o disco “Amor no Caos”. O cantor maranhense esteve em Salvador na última sexta-feira (31) para apresentar o seu 11º álbum autoral.

Zeca chegou munido com onze canções inéditas – duas delas em parcerias com Paulinho Moska e Frejat, e vomitou sobre o público baiano aquilo que estabelece a sua compreensão político-passional do amor: “Tudo é caos! A gente que impõe um pouco de ordem, a poesia, a arte e a ética impõem ordem. Falo do amor de maneira universal, com generosidade, compaixão, empatia, essas coisas que a gente sabe de cor mas na hora do exercício é muito difícil” disse.

As letras falam sobre a poder e independência feminina em “Ela nunca diz”, exalta a autoestima e liberdade em “Todo Super-Homem” e os efeitos da paixonite em “Balada do Amor em Chamas”.

O espetáculo contou ainda com um dueto do clássico “Flor da Pele”, cantada por Zeca e Rachell Luz, uma jovem cantora paulistana.

Acompanhado de sua banda formada por Fernando Nunes, Pedro Cunha, Adriano Magoo, Tuco Marcondes e Kuki Stolarski, Zeca Baleiro segue em turnê pelo Brasil mostrando o poder que o amor tem de se manter vivo e operante em meio a barbárie.


 

 

Equipe Canal In

Repórter Lucas Gomes

Editor Ricardo Henrique

Fotos Marco Dias

 

Compartilhe essa postagem