RESENHA IN DO FILME MALIGNO (MALIGNANT, 2021)

Quando você pensa em um filme de  terror, qual é a primeira coisa que vem à sua mente? Uma casa mal assombrada, com espíritos malignos que atormentam uma família, até ela perder um ente querido?

Se você for uma pessoa que acompanha o gênero, pode mencionar sangue, vísceras e partes do corpo extraídas de maneira brutal por um espírito demoníaco ou por um psicopata (talvez os dois ao mesmo tempo).

Maligno, o novo filme do diretor James Wan (responsável pelas franquias Invocação do Mal e Jogos Mortais), tem tudo isso, até se transformar em uma experiência perturbadora.

A história começa com um casal, Madison (Annabelle Williams) e Derek (Jake Abel), que estão enfrentando problemas no relacionamento em meio à uma gravidez. Conflitos envolvendo o consumo de bebidas alcoólicas, falta de entendimento entre os dois, enfim, um relacionamento moderno ao melhor (ou pior) estilo.

Durante uma discussão, Derek arremessa Madison contra a parede, fazendo com que ela bata a cabeça com força, que logo começa a sangrar.

E a partir desse ponto, a história de Maligno vira uma mistura de elementos de terror e suspense. Da investigação policial à violência extrema, com pitadas de horror sobrenatural. Tudo está aqui.

Mas o grande diferencial do filme consiste em sua revelação que, apesar de pretensiosa, é bem construída.[A PARTIR DAQUI O TEXTO POSSUI SPOILERS DA TRAMA DE MALIGNO]

Maligno se baseia na premissa de irmãos gêmeos xifópagos, ou seja, aqueles que dividem o mesmo corpo, mas com uma peculiaridade aqui: o irmão da protagonista, Gabriel, além de dividir o corpo com a irmã, controla a sua personalidade.

Nos momentos em que Gabriel assume o corpo de Madison, vemos um completo show de horrores, a mais pura carnificina recheada de sadismo, uma vez que ele vai em busca de vingança contra todos os “responsáveis” por sua jornada de caos.

Sim, a premissa é bem audaciosa e até mesmo confusa, pois você se questiona como a Madison não tem consciência do que acontece ao seu redor – e de que o irmão dela, em seu corpo, age com uma máquina de matar. 

A verdadeira história de Maligno, portanto, gira em torno de um irmão amargurado por não ter vivido ao lado de sua irmã, mesmo que de forma completamente grotesca e aterrorizante.

Madison, adotada aos 08 anos por sua nova família, foi doada ao nascer para uma instituição científica, onde faziam experimentos com crianças que possuíam anomalias.

A mãe biológica de Madison tinha 15 anos quando deu a luz, e além de ser completamente incapaz de cuidar das crianças, ficou horrorizada ao ver a aberração que saiu de dentro dela.

Durante uma série de experimentos, conseguiram extrair de Madison a grande parte que a ligava a Gabriel, deixando apenas alguns elementos do seu cérebro conectados, o que a fazia escutar a voz do irmão durante um bom tempo, como se fosse um amigo imaginário.

Adormecido durante anos, Gabriel ressurge após a pancada que Madison sofre de seu marido e, a partir desse momento, uma série de assassinatos brutais começa a acontecer ao longo do filme.

Gêmeos xifópagos já foram abordados recentemente na cultura pop, em American Horror Story. Mas a diferença, em Maligno, é o protagonismo. Se antes eles eram retratados como personagens secundários, aqui ocupam a posição de antagonistas da trama. 

Poucos diretores sabem construir histórias de terror repletas de elementos realmente aterrorizantes na atualidade, e James Wan é um deles. Elogiar o seu trabalho de direção é algo que já virou rotina, pois ele consegue explorar o máximo potencial de uma história simples com câmeras rodopiantes e em 360°. 

Porém, Maligno possui alguns pontos negativos, como a trilha sonora estridente e, por vezes, brega, que tenta criar um clima de suspense dos anos 70-80, mas me deu apenas dor de cabeça. 

Além disso, será que não existe outra atriz mirim em Hollywood além da Mckenna Grace? Me irrita a escolha dela para interpretar todas as versões mirins de protagonistas de filmes. E não que ela não tenha talento, mas existem outras atrizes que poderiam exercer o mesmo papel, como a Brooklyn Price (Projeto Flórida) ou até mesmo a Olivia Edward (Better Things). 

No mais, se você procura uma história de terror repleta de elementos do gênero, com um mistério bem construído e uma premissa bem diferente, Maligno é a pedida. 

FICHA TÉCNICA: 

Título Original: Malignant

Direção: James Wan 

Duração: 1h 51min (111 minutos) 

Estrelando:  Annabelle Wallis, Maddie Hasson, George Young, Mckenna Grace e outros. 

Roteiro: James Wan e Ingrid Bisu

Estreia Nacional: 09 de outubro de 2021 

NOTA: 8,5/10 

Equipe Canal In

Repórter: Marco Dias

Editor: Ricardo Henrique

Foto: divulgação

Compartilhe essa postagem

Sem comentários

Acrescente o seu