Resenha IN do filme Minha Mãe é Uma Peça 3 (2019)

O ciclo da vida é uma jornada contínua. Viemos ao mundo para aprender com nossos pais, receber ensinamentos na escola (e na vida), crescer, amadurecer, construir uma família e passar o nosso legado adiante (ao menos, é isso que esperam como resolução das nossas vidas). Nesse processo, a construção do vínculo entre mãe e filho é uma das experiências mais genuínas em termos de afeto, amor e dedicação. O amor que uma mãe pode dar à um filho é algo sem precedentes. Por isso, ao sair do ninho materno para embarcar na aventura da vida, o vazio deixado provoca uma dor muito grande no coração das mamães.

Minha Mãe é Uma Peça sempre foi, acima de tudo, um filme sobre família. O desenvolvimento cômico dos conflitos familiares de Dona Hermínia, seu ex-marido Carlos Alberto e seus filhos, Marcelina e Juliano, resultavam em ensinamentos familiares, ainda que superficiais. O terceiro filme da trilogia chega aos cinemas e entrega, justamente, tudo o que a franquia tem de melhor (claro, sem grandes aprofundamentos).


O filme se inicia com Dona Hermínia (Paulo Gustavo) andando por uma feira, comprando frutas, polvilho, interagindo com os vendedores e divertindo todos ao
seu redor. Os trejeitos de Paulo, aqui, falam mais alto (literalmente). Dona Hermínia berra, ironiza as situações e sempre tem uma resposta na ponta da língua.

Aqui, a trama se desenvolve com uma Dona Hermínia vivendo distante dos seus filhos, Marcelina (Mariana Xavier) e Juliano (Rodrigo Pandolfo), vivendo com sua diarista, Waldéia (Samantha Schmütz), sem querer ficar sozinha. Apesar de desejar a independência dos filhos, ao abandonarem o lar, o vazio deixado provoca tristeza e melancolia, até mesmo para a protagonista.

Enquanto Marcelina conta que está grávida do recém-namorado Sol (Cadu Fávero), Juliano anuncia que vai se casar com seu primeiro namorado, Thiago (Lucas Cordeiro). Dona Hermínia, então, vê uma oportunidade para se reaproximar dos filhos, ajudando-os, ou melhor, monopolizando as funções (como uma verdadeira mãe). Mas, após a recusa dos filhos, ela se vê sem rumo. E, para piorar as coisas, seu ex-marido, Carlos Alberto (Herson Capri), passa a morar no mesmo condomínio que o seu, no apartamento ao lado.

Apesar de todo esse clima melancólico, precisamos lembrar que se trata de uma comédia, então todas as situações são levadas com uma dose de humor, ainda que autodepreciativo (principalmente envolvendo a idade de Hermínia). Tanto que vemos a protagonista viajando para o exterior com Dona Lourdes (Malu Valle), indo para festas e se divertindo com as irmãs Iesa (Alexandra Richter) e Lucia Helena (Patricya Travassos).

Há, ainda, a rivalidade entre Dona Hermínia e Ana (Stella Maria Rodrigues), sogra de Juliano. Desde o primeiro momento, é nítido que as duas se “odeiam”, tentando sempre provar qual das duas é a melhor sogra. Isso, contudo, é posto de lado quando as duas precisam se ajudar para que o casamento dos filhos ocorra.

É importante ressaltar que Paulo Gustavo está envolvido em todos os aspectos do filme, da produção ao roteiro, até mesmo em alguns aspectos da direção. Sendo Dona Hermínia uma personagem inspirada na mãe do ator, é de se esperar tal interferência na trama. Isso, contudo, acaba prejudicando alguns elementos e, em especial o roteiro do longa, que opta pela resolução de conflitos da maneira mais simples possível, como se a vida real tivesse tais desdobramentos.

Apesar de aprofundar a vida dos filhos, o filme opta por destacar Dona Hermínia, ofuscando qualquer mensagem que se queira passar, seja da aceitação dos pais pelo casamento homoafetivo ou até mesmo do amadurecimento dos filhos tido como irresponsáveis. Tudo é deixado de lado para que a mãe brilhe, de maneira bem humorada.

As atuações são caricatas e o roteiro é previsível. Não espere grandes surpresas. Como comédia, Minha Mãe é Uma Peça 3 é, certamente, o melhor filme da trilogia sobre a mãe de Paulo Gustavo (ou melhor, inspirada na figura da mãe do ator). Nada muito além disso. Porém, isso não torna a experiência cinematográfica menos proveitosa.

NOTA: 7/10

Ficha Técnica:

Minha Mãe é Uma Peça 3 (2019)

Duração: 111 minutos

Direção: Susana Garcia

Estrelando: Paulo Gustavo, Rodrigo Pandolfo, Mariana Xavier e outros

Distribuidora: Paris Filmes

Estreia: 26 de dezembro de 2019

 

Equipe Canal In

Repórter / Resenha: Marco Dias

Editor: Ricardo Henrique 

Fotos: Divulgação 

Compartilhe essa postagem