Resenha IN do Filme Os Parças 2 (2019)

O humor sempre teve seu lugar de destaque na história do cinema, provocando reflexões, críticas ou até mesmo a sua função característica, de provocar o riso por parte dos espectadores. Desde a época de Chaplin que o gênero se reinventa, perpassando por nomes como Jerry Lewis, Peter Sellers, até chegar em Jim Carrey, todos com a sua importância e influência para a evolução do humor cinematográfico.

No Brasil, um dos grandes nomes do gênero foi Mazzaropi, que provocava o riso com um personagem inspirado no Jeca Tatu, com filmes de humor ambientados no interior. Posteriormente, Dercy Gonçalves, com toda a sua extravagância, atraia (e espantava) o público com o seu vocabulário repleto de palavrões. E, é claro, não podemos esquecer de Grande Otelo e Os Trapalhões. Todos esses abriram caminho para nomes como Leandro Hassum, Paulo Gustavo, Ingrid Guimarães, Marcelo Adnet e Bruno Mazzeo, além do grande nome da atualidade, o humorista que rebola sem camisa no Youtube.

Em Os Parças 2, Toin (interpretado por Tom Cavalcante), Ray Van (interpretado por Whindersson Nunes) e Pilôra(interpretado por Tirullipa) juntam forças para reformar uma colônia de férias, para atrair jovens de todo tipo. Quando o empreendimento enfim começa a funcionar, eles logo passam a competir com uma colônia vizinha, bem mais requintada.Porém, se no primeiro filme, a justificativa para a união do grupo já era aleatória, aqui a motivação é ainda pior: fugir de um assassino oriental que está no encalço de Romeu (Bruno de Luca).

No primeiro filme, por conta do fator novidade, até é possível vislumbrar uma veia cômica entre a junção irracional dos inusitados humoristas. Contudo, agora as piadas se repetem e tornam-se maçantes, ridículas. O humor, que já era forçado, aqui vira apelativo, quase que implorando pelo riso do espectador, com piadas envolvendo fezes e peidos (como se isso realmente fosse engraçado).

O roteiro da trama é bem simples: o grupo de desajustados se reúne para reformar uma colônia de férias, a “Periquito Alegre”, tornando-a “atrativa” para os futuros hóspedes, estudantes de ensino médio. Há, porém, um grande furo (proposital) de roteiro: como alguém que quer se esconder escolhe, justamente, um local repleto de jovens, com celulares, em pleno século XXI? Não há qualquer lógica por trás disso, a não ser a de uma facilitação de roteiro para que o clímax da história possa acontecer.

Em termos de convidados, a segunda aventura do grupo não conta com nenhum destaque no elenco, a não ser a participação dos ex-jogadores, Amaral e Falcão. Contudo, são meros rostos conhecidos em papeis inusitados, onde têm pouco para oferecer. Se a trama desse sequência ao que se imaginava com o final do primeiro filme, poderíamos ter o planejamento do casamento do Neymar, o que seria mais interessante e atrativo.

Há, ainda, a presença da cantora Simone, da dupla Simone e Simaria, na cena do filme que evidencia o grande furo do roteiro: a festa, repleta de jovens e celulares, onde Ray Van e Pilôra fazem questão de subir ao palco para cantar (e serem filmados e compartilhados pela internet).

Nas atuações, não há qualquer evolução. Whindersson e Tirullipa até conseguem arrancar um riso ou outro, mas seus talentos para atuar são limitados. Tom Cavalcante, por sua vez, não consegue fazer ninguém rir, contando com um repertório repleto das mesmas piadas de anos atrás, com umaatuação caricata e forçada. O pior de todos, porém, é Bruno De Luca, até por não ser da sua natureza o humor, o que não o redime de um péssimo trabalho como ator. O seu papel no filme, porém, é menor, o que gera menos incômodo.

A pressa (ou desnecessidade) em lançar a continuação de Os Parças gerou um filme confuso em sua proposta, perdido em seu rumo e entediante pela tentativa do riso forçado. O intuito de lucrar acabou prevalecendo em detrimento da qualidade – se é que já existiu –, gerando uma desnecessária vergonha cinematográfica para o cinema nacional.  

Nota: 3/10

FICHA TÉCNICA:

Os Parças 2 (2019)

Duração: 97 minutos

Direção: Cris D’Amato

Estrelando: Tom Cavalcante, Whindersson Nunes, Tirullipa, Bruno de Luca e outros

Estreia: 28 de novembro de 2019 (com sessões especiais a partir do dia 14 de novembro)

EQUIPE CANAL IN

REPÓRTER. MARCO DIAS

EDITOR: RICARDO HENRIQUE

FOTOS: DIVULGAÇÃO

Compartilhe essa postagem