Saúde: Como lhe dá com a alergia ao leite


De forma habitual, o leite de vaca é um alimento presente no cotidiano das famílias. Pode ser oferecido de forma indireta, por meio do leite materno ou através das fórmulas infantis, se tornando destaque quando o assunto é alergia alimentar. Conhecida como APLV, a Alergia à Proteína do Leite de Vaca é uma reação imunológica do organismo da pessoa à uma proteína do leite da vaca e é a alergia alimentar mais comum na infância (atinge de 2% a 5% das crianças), apresentando sintomas gastrointestinais, respiratórios ou cutâneos.

A alergia à proteína do leite de vaca é uma reação adversa ao componente proteico do leite e envolve mecanismos imunológicos, o que diferencia da intolerância a lactose que é uma reação adversa, envolvendo a digestão ou o metabolismo“, explica Dra. Júlia Ferreira, gastroenterologista pediátrica e pediatria geral.  ” Isso é motivo de confusão entre os pais, tanto para diagnóstico quanto para tratamento“, acrescenta.

Quando o bebê se alimenta apenas de leite materno e apresenta sintomas de reações alérgicas, ele pode estar reagindo às pequenas quantidades de proteínas do leite de vaca transmitidas pelo leite da sua genitora. Daí, o pediatra irá orientar que a mãe não consuma produtos lácteos e seus derivados. “Se houver a melhora dos sintomas no bebê, provavelmente, ele tenha APLV”, comenta a pediatra.

Quais são as causas?

Diversos fatores podem contribuir para o surgimento da APLV, apesar da sua causa ainda não está esclarecida por completo. Confira algumas delas:

– O tamanho e o peso da proteína do leite de vaca, já que o intestino dos bebês ainda é imaturo, gerando uma inflamação na mucosa intestinal. Por isso os sintomas surgem no primeiro ano de vida.

– Predisposição genética.

-Etnia e alterações na dieta.

Principais sintomas:

– Cutâneo: coceira, urticária, inchaços na pele, manchas vermelhas pelo corpo e dermatite atópica.

– Gastrointestinal: náuseas, vômitos, diarréia, sangue nas fezes, refluxo gastrointestinal e dor abdominal.

– Oral: coceira/inchaço dos lábios, língua e palato.

– Respiratório: coceira e sensação de garganta fechando, inchaço de glote e laringe, tosse seca irritativa, sensação de aperto torácico, crises de espirro e intensa congestão nasal.

Vale salientar que os sintomas da Alergia à Proteína do Leite de Vaca são inespecíficos e podem surgir em outras condições. Logo, o fato da criança apresentá-los não significa que ela tenha – de imediato – APLV”, alerta Dra. Julia. “Diante de um possível caso de alergia, o pediatra pode excluir a proteína do leite da vaca da dieta da criança. Caso haja o desaparecimento dos sintomas, provavelmente o diagnóstico estará correto. Mas ele só pode ser concluído diante do ressurgimento dos sintomas, após o teste de provocação oral“, complementa a médica.

Para tratar a APLV é necessário excluir totalmente o leite de vaca e seus derivados da alimentação (6 a 12 meses) de acordo com a idade e o tipo de reação apresentada. Cada caso é tratado de forma personalizada, não sendo possível dizer exatamente o tempo para a resolução da questão, pois depende do organismo de cada paciente.

Equipe Canal In

Repórter / Editor: Ricardo Henrique 

Foto: divulgação 

Compartilhe essa postagem