COMO CASA DA VOVÓ: BENEDITA MISTURA COZINHA AFETIVA COM HISTÓRIA DE AMOR 

Chef Emanuele Nascimento transforma espaço para homenagear sua avó 

A chef Emanuele Nascimento estava prestes a inaugurar o Rainha do Cupim, seu restaurante especializado em carnes e outros pratos regionais, quando sofreu uma grande perda: o falecimento de sua avó, Bendita. O nome anterior era o mesmo do projeto que, durante a quarentena, deu muita visibilidade ao seu delivery de assados. Do vazio afetivo veio uma ideia de alterar o nome do espaço para a mulher que tanto a inspirou no amor pela gastronomia. Nasceu assim o Restaurante Bendita – Rua Minas Gerais, 598, na Pituba. 

Mas a influência da avó vai além do menu, passando pela decoração do lugar, que  traz também muito dessa mulher incrível. Em particular, uma história de amor que durou mais de 60 anos e começou com a troca de cartões postais entre ela, que morava em Canavieiras, e Carmelito Bernardo, que vivia na capital. De 1951 a 1959, Benedita recebeu postais com imagens da cidade em que iria morar e muitas mensagens românticas do amado. Ah, e os postais podem ser vistos na galeria que liga o salão principal ao espaço externo do restaurante.

Desde a sua abertura, o Benedita vem ganhando elementos que o transforma cada vez mais em casa de vó. Alguns móveis da casa, onde aos domingos se realizavam os tradicionais almoços da família, ganharam réplicas na decoração, assim como os quadros com fotos de Bendita e Carmelito e a família.

Guardar na memória as receitas da avó foi a maior herança recebida por Emanuele, que desde menina frequentava a sua cozinha. Uma das chefs assador mais respeitadas do país, ela combina a carne com a cozinha brasileira regional, presente em sua infância. O Benedita explora diversas proteínas animais no cardápio nordestino, através de várias formas como assado, grelhado, cozido e churrasco. Com carne é uma farofa de cuscuz, Emanuele batizou o prato, que é hiper colorido e regional, de Benedita. 

Com a morte da minha avó, na minha cabeça ficou ainda mais claro que a Rainha do Cupim já estava no caminho para ser Benedita. Os clientes notavam que a comida era caseira, com cheiro e tempero de casa de vó. O Benedita traz toda a referência de minha infância, da magia da cozinha da família, razões pelas quais eu me apaixonei pela gastronomia. Aqui, nos ampliamos o cardápio para abraçar nossa regionalidade”, contou Manu. 

Do bolinho de rabada ao cupim ao camarão, o cardápio reúne pratos de memória afetiva. “É um aprofundamento, é um mergulho. Lá tem receitas que marcaram minha vida como a ambrosia, o jiló, o chocolate rústico feito diretamente da semente do cacau. Hoje eu encontrei meu ponto de equilíbrio buscando uma comida simples, com a excelência que minha avó trazia. Uma comida para fazer feliz”, revela Emanuele.  

Há três anos, a chef baiana decidiu fechar o restaurante The Butcher, surpreendendo os amantes de sua cozinha. Sentiu que já estava na hora de colocar em prática um projeto de 2012, mas decidiu adiar com a chegada da pandemia. Por outro lado, a recompensa veio através da grande visibilidade que teve o delivery Rainha do Cupim, o qual o cardápio foi anexado ao do Benedita. Conhecida nacionalmente pelos seus assados, consultorias, cursos de churrasco e de cortes na formação de açougueiros, Emanuele acredita que a Rainha do Cupim era um ensaio para abertura do Restaurante Benedita.

Hoje (7.10) a Chef recebeu alguns jornalistas para apresentar a “casa” e seu cardápio. No encontro, agradável, Emanuele destacou suas vivências e como essas experiências são colocadas à mesa. Comida com afeto, né, gente?!

Equipe Canal In

Repórter / Editor: Ricardo Henrique 

Fotos : divulgação 

Foto destaque: Ricardo Henrique

Compartilhe essa postagem

Sem comentários

Acrescente o seu